Páginas

terça-feira, 28 de maio de 2013

Prazer em Ler - 'Coração de Tinta'


Cheguei a este livro pelo cinema, assim como já aconteceram outras vezes. Primeiro eu assisti e gostei do filme, depois descobri que era baseado em um livro e fui procurar o livro. Demorei algum tempo até encontrar nas livrarias, mas valeu a pena. O livro prende e não me importo em ler uma obra depois de ter visto a adaptação em filme, muito pelo contrário. Acho até que saboreio mais a leitura, porque consigo fazer a distinção entre as duas obras diferentes, a história do livro e o filme que foi feito baseado na história do livro.

O filme eu assisti muitas vezes, com minha sobrinha. Aliás, ela assistiu primeiro e me contou algumas coisas, depois, assistimos juntas algumas vezes, porque sempre está passando na tv por assinatura. A história contada no filme merece uma análise, pelas imagens e contexto familiar que apresenta, e a relação entre o filme e o livro, o que tem de particular em cada um, também merece uma análise... mas tudo isso vai ficar para outro momento.

Conclui a leitura das 455 páginas de 'Coração de Tinta' sem muito trabalho ou sem muita ansiedade. E isso, nesse momento foi muito bom! Momento em que preciso de leituras leves, que me transportem do mundo pesado de uma tese de doutorado, para um mundo fantástico, de seres fantásticos, com seus próprios problemas, guerras, amores e castigos fantásticos. E esse livro faz isso de forma igualmente fantástica. Não foi à toa que a história ganhou sua versão em filme. Aliás, parece que estamos em uma nova onda cinematográfica, retirando dos livros as histórias para o cinema de aventura (Harry Potter, Senhor dos Anéis, Nárnia, Crepúsculo e tantos outros). No geral eu gosto muito dessa relação entre filme e livro. Gosto da ideia do livro como a fonte mágica das histórias. 

No começo do livro, saboreei alguns trechos encantadores, que foram tecidos para os amantes da leitura, falando dessa magia que nos prende nos livros. Como se a autora quisesse pegar o leitor pela sua paixão por livros, antes de pegá-los pela paixão pela história que o livro está contando e pelos personagens. A princípio me identifiquei com Mo, por ele cuidar de livros; depois com Megie, por ela amar ler e por ler mais de um livro por vez; mas depois que conheci Elinor, me identifiquei mais com ela. Elinor é uma senhora, tia da mãe de Megie, solteira e sem filhos ela possui uma casa enorme e cheia de livros por todos os lados, e uma biblioteca repleta de raridades. Quando entrei na casa de Elinor, tive vontade de morar lá. Mais que isso, tive vontade de montar minha casa do mesmo jeito. Ou ainda, me senti a própria Elinor, com todo o seu cuidado para que não tirassem os livros do lugar ou deixasse marcas de dedos nas suas preciosidades. Só faltou um gato na casa de Elinor. 

Quando terminei de ler, fechei o livro como se fosse encontrar os personagens logo mais em outro momento. Porque se trata de uma trilogia. Foi então que amei essa ideia de trilogia, porque assim, ficamos com a história por mais tempo e não precisamos nos despedir dos personagens ao final do livro. Esse é um momento tão doloroso! Ainda bem que essa dor foi adiada e ainda terei mais de 800 páginas para me deliciar com Mo, até que, tudo termine. 

A história foi publicada originalmente em 2003 (Inkheart) e a tradução em português foi lançada pela Companhia das Letras em 2006. Das frases que gostei no livro, preparei alguns slides e compartilhei na minha página do facebook. Aproveito para deixá-los aqui também.






Aqui as capas da edição brasileira da Companhia das Letras que está disponível, por exemplo, na Saraiva, da Trilogia 'Mundo de Tinta': 'Coração de Tinta', 'Sangue de Tinta' e 'Morte de Tinta'.



No cinema, o belíssimo Brendan Fraser é quem dá vida ao encadernador de livros Mo, o 'língua encantada', que dá vida às coisas que lê. Mo é o que podemos chamar de 'contador de histórias', que consegue, com sua voz e sua interpretação, fazer com que quem ouve imagine que tudo ganha vida, como se visse um filme.



Capa do livro com os personagens do cinema





Esta é a edição do livro que ainda preciso encontrar.





Sobre a autora Cornelia Funke. Nasceu em 1958, em Dorsten, na Alemanha. Escritora e ilustradora de livros infantis e juvenis, recebeu diversos prêmios literários. Com mais de quarenta livros publicados, é autora, entre outros, de O senhor dos ladrões, que ficou na lista de mais vendidos do New York Times, da trilogia Mundo de Tinta, cujo primeiro volume, Coração de Tinta, adaptado para o cinema, tornou-se um best-seller mundial; e de A maldição da pedra, que inicia uma nova trilogia, chamada Reckless.




Trailer do filme Coração de Tinta

Um comentário:

  1. Ah, como eu amo essa história! Já estou na terceira leitura e é sempre como se estivesse lendo pela primeira vez! Meus olhos brilham. Belíssimo texto :) Já encontrou essa edição?

    ResponderExcluir